Depois de um ano da morte da empresária Débora, família ainda pede justiça

Erro no banco de dados do WordPress: [Table 'expr41812039866.wp_ryp5frf1zq_impulsosocial' doesn't exist]
SELECT * FROM wp_ryp5frf1zq_impulsosocial

Erro no banco de dados do WordPress: [Table 'expr41812039866.wp_ryp5frf1zq_impulsosocial_popup' doesn't exist]
SELECT * FROM wp_ryp5frf1zq_impulsosocial_popup

Manaus – Uma missa relembrou, neste domingo (5), um ano de impunidade da morte da empresária Déborah Maryneth Rubim Freitas, vítima de um acidente de trânsito envolvendo uma carreta, uma moto e três veículos de passeio. Reuniram-se  familiares e amigos , na Paróquia São José Operário, no bairro da Praça 14 de Janeiro. Após um ano do acidente, o processo continua sem movimentação na Justiça. Segundo o viúvo de Déborah, Renato Freitas, a família nunca foi chamada para prestar depoimento sobre o caso.

Atingida pela carreta Débora morreu no dia 5 de junho do ano passado, após ficar internada por 41 dias na Unidade Intensiva de Terapia (UTI), do Hospital Pronto Socorro Dr. João, o fato ocorreu na Alameda Cosme Ferreira,zona leste da cidade, no dia 23 de maio.

“As autoridades deviam olhar com mais atenção para essa para este fato. É da vida humana de que estamos falando, não só da Débora, mas muitas outras que já aconteceram e as que vão acontecer se nada for feito, não adianta, parece que a vida está banalizada no trânsito”, lamentou Renato. De acordo com ele, a perícia da Polícia Civil identificou, na época, que houve “imperícia do motorista da carreta”. A mangueira do freio do veículo estava com defeito.

“Tinha uma mangueira, cortada, que estava com defeito, e eles deveriam ter verificado isso. As carretas continuam circulando sem a mínima condição de tráfego, com alguns motoristas sem carteira, alcoolizados, muitas vezes drogados. A gente vê cada barbaridade acontecendo”, disse.

Pelo menos três responsáveis, além do motorista, foram identificados no acidente, segundo Renato. O cavalo mecânico, o baú e a carga pertenciam a três empresas diferentes, o que na avaliação dele, fez com que o processo ficasse ainda mais lento.

Inquérito

O  Ministério Público Federal no Amazonas (MPF-AM) e o Ministério Público do Estado (MP-AM), abriram, em julho do ano passado, um inquérito civil para investigar a circulação de carretas em Manaus e nas rodovias federais do Amazonas. O levantamento do MPF reuniu 35 notícias publicadas pelos jornais, entre agosto de 2014 e maio de 2015, que relatam situações de colisões, tombamentos e mortes em acidentes com esse tipo de veículos.

 

Comments

comments

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Solve : *
18 ⁄ 9 =