Em protesto, professores bloqueiam o trânsito em Manaus


Manaus – Centenas de professores se reuniram na manhã desta terça-feira (12) em frente à Secretaria Municipal de Educação (Semed) para cobrar da Prefeitura de Manaus o repasse imediato para os professores e pedagogos que não foram aplicados pelo Fundo de Manutenção e Desenvolvimento de Educação Básica  (Fundeb). Os manifestantes coletaram assinaturas para serem anexadas aos documentos elaborados pela comissão jurídica que serão entregues à Prefeitura. As informações são do Portal Acrítica.

De acordo com a coordenação do movimento, a Semed recebeu mais de R$ 109 milhões do recurso do Fundeb, no mês de julho, mas não foi dada uma transparência ao que exatamente foi aplicado.

O professor Jonas Araújo afirmou que a Prefeitura de Manaus precisa explicar como o recurso foi empregado. “O recurso banca toda a despesa da educação. Quando a prefeitura não gasta todo o dinheiro, ele precisa repassar. O prefeito resolveu passar apenas para aqueles professores que atingiram o ideb. Nós queremos saber quanto de fato sobrou. Onde foi gasto esse dinheiro? Quanto sobrou?”, afirmou.

A manifestação provocou retenção nas vias próximas à Avenida Maceió (Foto: Márcio Silva)

A pedagoga Djanise Braga também reivindica a aplicação da data-base dos professores, além da falta de estrutua na escola.“Nas escolas sofremos com o calor intenso, merenda não vai, falta uma estrutura. Não tem material. Todas essas questões são levantadas. Somos pressionados a aumentar o Índice de Desenvolvimento da Educação. Tem que trabalhar doente, teu aluno tem que aprender com fome. Tá explodindo, a categoria está revoltada. Não temos condições de chegar a meta”, disse.

A manifestação provocou retenção nas vias próximas à Avenida Maceió. Isto, porque, os manifestantes chegaram a fechar uma das vias. Agentes do Instituto Municipal de Engenharia e Fiscalização do Trânsito de Manaus (Manaustrans) estiveram no local para orientar os motoristas.

Semed responde          

O subsecretario de administração e finanças da Semed, Bruno Guimarães afirmou que o município utiliza quase na sua totalidade o recurso do Fundeb na folha de pagamento. “Em 2016, nós utilizamos quase 98% do recurso que recebemos para a folha de pagamento. Em 2017, os R$ 109 milhões que recebemos e que se causa muitos questionamentos. Estamos utilizando 82% para folha de pagamento, além disso vamos pagar as progressões por titularidade, tempo de serviço e os reenquadramentos”, afirmou.

Sobre a falta de infraestrutura, Guimarães disse que é necessário priorizar o que é mais urgente. “Existem dificuldades. O país todo está vivendo dificuldades. Mesmo assim, investimos na qualificação do professor. Temos um planejamento para tentar amenizar isso. Mas não é impeditivo para que a gente avance na qualidade do ensino na nossa cidade”.


Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto:
Pular para a barra de ferramentas