Empresa de novo ministro do Esporte é fornecedora da Olimpíada

Erro no banco de dados do WordPress: [Table 'expr41812039866.wp_ryp5frf1zq_impulsosocial' doesn't exist]
SELECT * FROM wp_ryp5frf1zq_impulsosocial

Erro no banco de dados do WordPress: [Table 'expr41812039866.wp_ryp5frf1zq_impulsosocial_popup' doesn't exist]
SELECT * FROM wp_ryp5frf1zq_impulsosocial_popup

São Paulo –  O novo ministro do Esporte, Leonardo Picciani (PMDB-RJ), 35, manteve pouca relação com o setor nos seus quatro mandatos na Câmara.

Com a Olimpíada, o principal vínculo foi forjado pela mineradora Tamoio, da qual a empresa de sua família, a Agrobilara, é sócia.

Ela é fornecedora de brita para ao menos duas obras dos Jogos: o Parque Olímpico da Barra e a Transolímpica, corredor rápido de ônibus entre Barra e Deodoro.

Em nota, sua assessoria negou conflito de interesses.

“O Ministério do Esporte não contrata obras. As obras para as Olimpíadas já estão concluídas e foram gerenciadas pelo Comitê Olímpico Internacional, Comitê Olímpico do Brasil e pela Prefeitura do Rio”, diz a nota.

Picciani chega ao cargo após o presidente interino Michel Temer decidir dar ao PMDB-RJ a pasta ligada aos Jogos. A direção regional da sigla, com maior número de deputados, aderiu ao impeachment dias antes da votação na Câmara.

O ministro, contudo, votou contra a instauração do processo. Ele não vê contradição ao assumir um cargo no novo governo.

“Meu voto no impeachment foi calcado no meu entendimento jurídico na comissão. No entanto, fui voto vencido. A matéria avançou e eu pertenço ao PMDB, filiado desde os meus 16 anos. No momento em que o PMDB tem essa tarefa com o país, tenho de me somar aos meus companheiros do partido, de modo que o sucesso do governo do presidente Temer possa ser o sucesso do país”, disse, à “Agência Brasil”.

A ala do novo ministro, liderada por sua pai, o presidente do PMDB-RJ e da Assembleia Legislativa do Rio, Jorge Picciani, apoiou o senador Aécio Neves (PSDB) na última eleição. Mas aderiu ao governo Dilma Rousseff logo após o início do segundo mandato.

Formado em Direito, Leonardo Picciani elegeu-se com a base eleitoral de seu pai e ocupou cargos importantes graças ao seu apoio.

Em seu segundo mandato, assumiu, aos 28 anos, a presidência da CCJ (Comissão de Constituição e Justiça), a mais importante da Câmara.

Tornou-se líder do PMDB em 2015 e perdeu momentaneamente o cargo por seu apoio a Dilma. Recuperou o espaço dias depois, com ajuda de manobras do pai.

Sem tradição no setor, o novo ministro foi ignorado pelas principais entidades esportivas. A CBF (Confederação Brasileira de Futebol), o COB (Comitê Olímpico do Brasil), o movimento Bom Senso e o comitê organizador da Olimpíada não comentaram a escolha do ministro.

A ex-jogadora de vôlei Ana Paula, medalhista de bronze em Atlanta-1996, disse numa rede social que o novo ministro “não me representa”.

“Não chamo Picciani de ministro nem que a vaca tussa. E a minha não tosse. Sonho um dia ver o esporte ser levado a sério nesse país. Não apenas em época de Olimpíadas ou quando querem sair na foto”, escreveu ela.
Há poucas pendências a serem resolvidas por Picciani na organização da Olimpíada. O ministério ainda precisa finalizar a compra de equipamentos esportivos para os Jogos, como redes, bolas e remos, orçados em cerca de R$ 100 milhões.

Contudo, o ministério vinha desempenhando o papel de principal interlocutor com o COI (Comitê Olímpico Internacional), definindo novas responsabilidades a serem assumidas pelo governo federal. O secretário-executivo da pasta, Ricardo Leyser, vinha tratando do tema. Filiado ao PC do B, ele se manteve no cargo, mas seu futuro está indefinido.

“Os Jogos Olímpicos estão andando bem, dentro do cronograma, e tenho convicção absoluta de que não teremos nenhum problema”, disse à Agência Brasil. Procurado, ele não falou com a Folha.

Comments

comments

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Solve : *
7 + 10 =