Na Ufam, professores e alunos aderem à paralisação em defesa da educação

Manaus – Alunos e professores da Universidade Federal do Amazonas (Ufam) decidiram aderir à paralisação desta quarta-feira, 15, em defesa da educação. 

O protesto foi marcado após o anúncio do Ministério da Educação de bloqueio de 30% do orçamento das universidades federais ecorte de bolsas para pesquisa. 

Milhares de manifestantes deixaram o Campus da Universidade Federal do Amazonas e caminharam pela Av. General Rodrigo Otávio gerando um intenso congestionamento.

O corte de verbas da educação retira temporariamente do Instituto Federal do Amazonas e Universidade Federal do Amazonas cerca de R$ 65 milhões que representa 5,3% do orçamento previsto para 2019. 

Críticas a manifestação

Essa semana o presidente Jair Bolsonaro fez duras críticas sobre uma pichação com seu nome dentro do campus da Ufam.

“O discurso ‘mais amor e menos ódio’ passa longe da realidade daqueles que vivem repetindo essa frase. Vandalismo na Universidade Federal do Amazonas – Ufam”, diz a legenda publicada pelo presidente.

Foto reprodução: Instagram

Além disso nessa quarta-feira, 15, o presidente voltou a “tecer críticas” as manifestações contra os cortes na educação.

Em sua chegada a Dallas, nos Estados Unidos, Bolsonaro informou que não gostaria de fazer o corte, e responsabilizou o governo do PT e MDB como responsáveis pela crise na educação.

Além disso o presidente afirmou que estudantes que participam desse protesto são “massa de manobra” e “idiotas úteis”.

Protesto Ufam e Ifam. Foto: Reprodução/Adua
Foto: divulgação

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Solve : *
11 + 2 =