Operação Lava Jato: Camargo Corrêa vai relatar pagamento de propina ao PSDB


Brasília – Os “aditamentos” nas delações de executivos da Camargo Corrêa e da Andrade Gutierrez na Lava Jato, em razão das novas revelações das colaborações da Odebrecht, da OAS e de Sérgio Machado já estão avançando. Um dos acionistas da Camargo Corrêa, Luiz Nascimento, deve confirmar aos procuradores de Curitiba que pagou pessoalmente R$ 350 mil a Machado, ex-presidente da Transpetro, por contratos do Estaleiro Atlântico Sul.

Segundo entendimentos preliminares, Nascimento deve afirmar que a construtora Queiroz Galvão, sócia no estaleiro, também pagou propina a Machado.

A Camargo Corrêa vai relatar ainda pagamento de propina ao PSDB de São Paulo por intermédio do ex-diretor da Dersa Paulo Vieira de Souza, o Paulo Preto. A empresa irá reconhecer cartel, fraude e superfaturamento nas obras do Rodoanel e do metrô de 2007 a 2014, nos governos José Serra e Geraldo Alckmin.

Mesmo com o “recall”, temem que as delações sejam anuladas caso o MPF entenda que as omissões foram intencionais.

 REVISÃO 1

Executivos da Andrade podem envolver Aécio e Berzoini Nas negociações para que relatem propina na obra da Cidade Administrativa, no governo de Minas, os procuradores pedem que executivos da Andrade Gutierrez confirmem se ela foi paga a Oswaldo Borges da Costa Filho, o Oswaldinho, ligado a Aécio Neves (PSDB). A Andrade dirá que pagou propina pela obra da usina de Santo Antonio ao ex-ministro Ricardo Berzoini, que já foi citado em colaborações de ex-diretores da empresa.

NOS TRILHOS

Governo vai liberar R$ 153 mi para retomar Transnordestina O governo autorizou a liberação de R$ 153 milhões de reais para a retomada da ferrovia Transnordestina pela CSN. Os ministros Eliseu Padilha (Casa Civil) e Helder Barbalho (Integração) se reuniram na semana passada com Benjamin Steinbruch, que relatou a situação das obras e pediu nada menos que R$ 300 milhões para conclui-las. Levou a metade e deixou o encontro com a promessa de criar 8 mil postos de trabalho.

TETO 1

Governo monta plantão jurídico para garantir a votação Após a manifestação da Procuradoria-Geral da República pela inconstitucionalidade da do teto de gastos, o governo se preparou para rebater uma chuva de ações contra a votação da PEC nesta semana.

TETO 2

Blindagem na base contra “corporativismo” de servidores Outro medo do governo é que  os deputados sejam pressionados por “interesses corporativistas” de categorias de servidores públicos, que veem na PEC do teto de gastos um sinal de congelamento de salários em médio e longo prazos. “Essa elite do funcionalismo representa um porcentual mínimo da população”, disse o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ).

PODE ESPERAR

Negociação da Previdência só depois da viagem de Temer A rodada com centrais sindicais, na terça-feira, será a única reunião que Michel Temer terá para tratar da reforma da Previdência antes da viagem à Índia e ao Japão, na quinta-feira. Não há tempo hábil para organizar uma mesa com empresários numa semana dominada pelo teto e encurtada pelo feriado. O presidente volta dia 20, a tempo de acompanhar o segundo turno  da PEC na Câmara.

Por Estadão Conteúdo.


Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto:
Pular para a barra de ferramentas