Padrasto é acusado de estuprar criança com paralisia cerebral na Zona Leste de Manaus

Manaus – O estupro teria acontecido na madrugada deste sábado (7), em uma residência no bairro São José 1, na Zona Leste de Manaus. A vítima é uma menina de 5 anos que tem deficiência mental. O suspeito é padrasto da criança e tem aproximadamente 25 anos.

De acordo com informações da mãe da vítima, uma estudante de 19 anos, o crime aconteceu por volta das 2h30, quando o seu marido entrou escondido na casa e foi até o quarto onde a criança dormia.

 “Eu estava na sala, com meu outro filho, quando ouvi o grito da minha filha e corri para ver o que tinha acontecido. Quando cheguei, ele estava deitado ao lado dela. Ela chorava muito, mas não consegui identificar nada no início. Só vi que a minha filha estava sangrando no outro dia, quando fui dar banho nela”, disse a mãe da criança.

“Ele disse: o que fiz foi pouco, ela merecia muito mais”.

Ainda segundo a estudante, após verificar que a criança estava sangrando, a mulher foi até seu marido e perguntou o que ele havia feito com a criança. “Ele disse que não havia feito nada, mas quando saiu de casa, falou: o que fiz foi pouco, ela merecia muito mais”, contou chorando.

“É muito triste você olhar para a sua filha e saber que ela foi abusada”.

Segundo a jovem, o suspeito ainda agrediu ela e o filho de apenas 4 meses. “Eu não quero que esse caso fique impune.  É muito triste você olhar para a sua filha e saber que ela foi abusada. Eu quero Justiça”, explicou a mãe, desesperada.

A estudante acionou a polícia militar, mas quando a equipe da 9ª Cicom chegou ao local, o suspeito conseguiu fugir. A criança foi levada até o Hospital Pronto-socorro Joãozinho, no São José, Zona Leste. Os médicos suspeitaram do abuso e acionaram tanto o conselho tutelar quanto a Polícia Civil.

O caso foi registrado na Delegacia Especializada em Crimes Contra a Criança (Depca). O padrasto da vítima, que não teve o nome divulgado, ainda não tem o paradeiro localizado.

Conselho tutelar

De acordo com conselheiro Tutelar da Zona Leste 1, Júnior Resgate, o caso chegou a seu conhecimento após um médico do Joãozinho acionar o plantão do órgão.

“Quando cheguei ao hospital a médica disse que, possivelmente, o caso seria estrupo de vulnerável. A mãe alega que foi o padrasto, mas quem vai confirmar isso é o Instituto Médico Legal, através do exame de corpo de delito. Apresentamos o caso à delegacia, que dá andamento aos procedimentos,” explicou o conselheiro.

Com informações Em Tempo

Comments

comments

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Solve : *
17 + 18 =