PM pode ter sido torturado antes de ser morto na invasão do Buritizal

Manaus – Seis pessoas são suspeitas de estarem envolvidas no homicídio do soldado da Polícia Militar do Estado do Amazonas (PMAM), Paulo Sérgio Portilho. A Polícia Civil do Amazonas divulgou na manhã desta quarta-feira (31), apenas o nome de três homens, que são Marcos Neves Serra, 19, “Tabandido” e “Índio”.

Segundo o titular da Delegacia Especializada em Homicídios e Sequestros (DHES), Juan Valério, uma testemunha presenciou o momento em que o soldado chegou ao local. Ele afirma que todos os suspeitos são envolvidos com o tráfico.

“Conseguimos encontrar uma testemunhar ocular e identificamos seis pessoas. Três delas ainda não temos fotos ou os primeiros nomes, por exemplo. Mas todos possuem envolvimento com o tráfico de drogas. O Marcos tem passagem pela Polícia desde quando era menor”, disse informando que Marcos já tem mandato de prisão em aberto.

O delegado também informou que os criminosos mataram Paulo após identificar que era policial militar. “O soldado chegou por volta das 22h em um terreno perto da invasão. Ele foi com o objetivo de olhar um terreno, mas estava com um camisa que possuía o brasão da Polícia Militar. Acabou sendo identificado como policial e os criminosos o levaram para uma ribanceira onde o crime aconteceu”, disse o delegado.

Juan Valério informou que a arma do Policial Militar foi encontrada enterrada debaixo de um barraco da invasão, que supostamente era onde Marcos morava. “Neste barraco encontramos um revólver 38 e cinco munições, que pertenciam ao policial. Quando chegamos lá prendemos a Joana Priscila dos Santos Cavalcante por porte ilegal de arma. Agora ela está sendo flagranteada em um dos nossos DIPs”, disse o delegado, acrescentando que no local também foram encontrados entorpecentes.”Quem tiver informações sobre a localização dos envolvidos nos informem. Podem entrar em contato com a Delegacia Geral”, completou o delegado.

Morte de policial

O comandante-geral da Polícia Militar do Amazonas (PMAM), David de Souza Brandão, destacou que o sistema de segurança do Estado se encontra de luto em virtude a morte do policial.

“Desde o momento que soubemos desse desparecimento, começamos com as buscas. Culminou de encontrar o corpo do soldado e agora estamos empenhados na busca dos autores. Identificamos três autores, inclusive um já tem um mandado de prisão preventiva. Vamos dar uma resposta para tudo isso conforme a lei”, ressaltou.

O comandante da PMAM também comentou que a Polícia Militar vai continuar a atuar normalmente na cidade. “Vamos desenvolver normalmente as nossas atividades, mas com o olhar diferente na busca dos criminosos, pois foi um crime bárbaro”, disse.

O delegado geral da Polícia Civil, Frederico Mendes, destacou que a corporação não possui o sentimento de vingança, mas que seja realizada a justiça. “Vamos fazer procedimentos judiciais. Não temos sentimento de vingança, mas sim de encontrar os criminosos. Vamos atuar nisso”, afirmou.

Atuação no incêndio

O subcomandante Geral do Corpo de Bombeiros, Raimundo Rodrigues, se pronunciou sobre oincêndio que atingiu a invasão onde o corpo do policial militar foi encontrado. Ele disse que a corporação deu uma resposta em tempo hábil para a situação.

“Em torno de doze minutos foi o nossa a resposta. A via de acesso da viatura foi pela Avenida Grande Circular pela Torquato. Imagina o trânsito nesse horário. Somos movidos por vida e patrimônio”, disse.

Sobre a questão da demora da chegada da corporação no local, o subcomandante afirmou que o Corpo de Bombeiros só foi acionado por volta das 18h38, chegando no local por volta da 18h50.

“Não necessariamente precisamos de protocolos. Só fomos informados do incêndio por volta da 18h38 e nos dirigimos para lá. Durante a Copa do Mundo, ficamos sabendo de incêndio por uma gravação e nos encaminhamos para lá. Mais uma vez afirmo que somos movidos por vidas e patrimônios”, disse.

O subcomandante também afirmou que investigará caso. “Não sabíamos desse evento. Mas se descobrimos que existia alguém de nós que sabia do incêndio e não nos avisou, será aberto um inquérito com certeza”, comentou.

Velório marcado pela emoção

O velório do soldado da Polícia Militar, Paulo Sérgio Portilho, 34, foi realizado com muita comoção na manhã desta quarta-feira (31), no Comando da Polícia Militar, na Zona Centro-Sul de Manaus. Cerca de 100 pessoas participaram da cerimônia fúnebre, entre policiais, amigos próximos e familiares. A banda marcial do órgão também apresentou músicas religiosas.

Encontrado em invasão

O corpo do policial militar Paulo Sergio Portilho, 34, foi encontrado na tarde desta terça-feira (30) por uma cadela do canil da PM. O cadáver não apresentava aparentemente sinais de tiro e estava enterrado em uma área da invasão chamada Buritizal Verde, no bairro Nova Cidade, na Zona Norte de Manaus. De acordo com o comandante geral da PM, David Brandão, após a possível localização de onde estaria o corpo, policiais ajudaram a cavar com pás e  com uma retroescavadeira o local.Com informações Portal Acrítica.

Comments

comments

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Solve : *
21 + 29 =