Quatro pessoas foram mortas e outras três permanecem desaparecidas somente este ano durante abordagem policial em Manaus

Manaus –  A escalada de violência contra a população amazonense parece não ter fim e estarrece toda a sociedade, o que chama a atenção é que essa violência é cometida por aqueles que deveriam nos proteger. Denúncias de abusos cometidos por policiais civis ou militares no Amazonas passaram se tornar rotina nos noticiários da capital.

As queixas que mais cresceram foram as de constrangimento ilegal, em seguida aparece o abuso de autoridade com agressão, e a invasão de domicílio. Mais o que chocou a população foi a execução Hering Silva Oliveira, de 15 anos, que estava jogando futebol com amigos em um campo na rua Agostinho Caballero Martin, no bairro Santo Antônio, ser baleado e morto com um tiro nas costas durante uma abordagem realizada por policiais militares a 5ª Companhia Interativa Comunitária (Cicom), na tarde desta quinta-feira(25).

A vítima chegou a ser levada ao SPA do São Raimundo, mas não resistiu e veio à óbito. “Eles disseram que tinha uma denúncia de uns marginais lá no campo consumindo droga, mas o meu filho estava se drogando ele apenas estava jogando bola com os amigos. Ele deve ter ficado assustado com a truculência da polícia e acabou correndo e nisso atiraram nele pelas costas. Eu não tenho dúvidas que foi a Polícia que atirou no meu filho”, disse a mãe do adolescente, a dona de casa Marlene Silva, de 42 anos, inconsolável.

Segundo o delegado-geral adjunto da Polícia Civil, Ivo Martins, o depoimento dos Policiais Militares envolvidos na ação que terminou com a morte do adolescente, de que haveria uma reação por parte da vítima, foi anulado após as investigações apontarem que não foi constatado indícios de pólvora ou chumbo nas mãos do adolescente.

O titular da SSP-AM, Coronel Amadeu Soares, informou que os policiais envolvidos no caso foram afastados das funções até o fim das investigações.

Outros casos

No dia 16 de abril o adolescente Emanuel Menezes Pantoja, de 15 anos foi alvejado com um tiro na cabeça durante uma abordagem policial no bairro Nossa Senhora de Fátima 1, Zona Norte da capital amazonense. .

Um colega da vítima identificado como Alessandro Souza, de 18 anos, informou que Emanuel foi baleado enquanto jogava bola no bairro. Ele levou um tiro mesmo  seguindo ao comando dos policiais.

“Os militares chegaram falando ‘todo mundo deitado no chão’, aí a gente botou a mão na cabeça e não tivemos reação de nada para eles. O policial já saiu da viatura atirando e quando nós vimos Emanuel já estava morto com um tiro na cabeça. Aí quando eles viram o menino morto eles disseram ‘agora o que é que nós vamos fazer’?”, relatou.

Na época a Polícia Militar informou que a guarnição recebeu uma denúncia de tráfico de drogas no bairro Nossa Senhora de Fátima I. E durante a ocorrência acabou trocando tiros com os supostos traficantes e que o tiro acabou atingindo Emanuel durante o confronto. Até os dias de hoje nenhum policial militar  foi responsabilizado pelo tiro que matou o adolescente.

Ricardo Chuansky

No final da tarde do dia, 23 de agosto, o jovem Ricardo Chuansky de Souza Monteiro de 23 anos, saiu pra jogar bola com amigos em um campo de futebol próximo da sua residência no bairro Alvorada, Zona Centro-Oeste de Manaus. No entanto o que era pra ser apenas uma partida normal de futebol terminou com o choro da mãe de Ricardo e a tristeza e sensação de impunidade por parte dos familiares e amigos ao saberem que o jovem de 23 anos foi executado e outros dois ficaram feridos durante uma abordagem policial.

Mário Carlos de Souza Monteiro relatou que o irmão Ricardo foi baleado por um tiro disparado dentro da área de mata, junto com outras duas pessoas. O irmão da ´vítima denunciou, ainda, que os policiais tentaram ‘forjar’ a cena do crime, colocando uma arma na mão de Ricardo.

Até hoje o caso ainda não foi solucionado pela Delegacia Especializada em Homicídios e Sequestros, (DEHS).

Resultado de imagem para Ricardo Chuansky de Souza Monteiro
Foto: divulgação

Tiago Henrique

Na madruga do dia 15 de setembro Tiago Henrique de 24 anos, foi morto após ser alvejado com um tiro no peito durante uma abordagem policial, na rua Paulo Sarmento, bairro Amazonino Mendes, zona Leste da capital amazonense.

Foto: divulgação

De acordo com a equipe da 27ª Cicom, o homem teria reagido a abordagem com uma tesoura e o PM se defendeu efetuando o disparo.

O ainda está sendo investigado pela Delegacia Especializada em Homicídios e Sequestros (DEHS).

Três jovens desaparecem após abordagem de supostos policiais em Manaus

No dia 27 de junho, três jovens identificados como Sidney Castro, Fredson Batalha e Rocinei Maia desapareceram após serem abordados e levados à força durante uma suposta abordagem policial no beco São Francisco, situado na Rua Comandante Noberto Van Gal, no bairro Redenção, Zona Oeste de Manaus. O caso foi registrado na Delegacia Especializada em Ordem Política e Social (Deops).

Segundo parentes, o trio não tinha passagem pela polícia. Até hoje não se sabe o que aconteceu com os três jovens.

Assista: 

Quem puder colaborar com informações sobre os casos, pode entrar em contato com os servidores da Deops pelo número: (92) 3214-2268.

Comments

comments

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Solve : *
10 + 4 =