Após aparecer em lista da Odebrecht, Artur Neto anuncia que vai se aposentar

Manaus – O prefeito de Manaus, Artur Neto (PSDB), anunciou sua aposentadoria da política em post nas redes sociais. Em longo texto sobre a Lava Jato, publicado na madrugada desta quarta-feira (12), Artur nega ter recebido propina da Odebrecht e diz “deixo a política abjeta que aí está, à disposição dos profissionais da ‘sobrevivência’, dos torquemadas de plantão e dos hipócritas de quaisquer matizes”.

“Minha cota se esgotou”, continua o prefeito, afirmando que este será seu derradeiro mandato. “Governarei Manaus com uma dedicação extremada, que resumirá quatro décadas de amor. Até o último minuto de 2020. E, definitivamente, não me candidatarei mais a qualquer outro posto”.

Artur foi citado na delação premiada do diretor de relações institucionais da Odebrecht, Cláudio Melo Filho. Segundo ele, o prefeito, chamado de “Kimono”, recebeu R$ 300 mil em propina na campanha para o Senado Federal, em 2010. Ontem, por conta dessa delação, o relator da operação Lava Jato no STF, ministro Edson Fachin, enviou ao Tribunal Regional Federal da 1ª Região as citações ao tucano.

No post publicado esta madrugada, Artur cita o procurador-geral da República, Rodrigo Janot, e o juiz da Lava Jato, Sérgio Moro, ao afirma estar com a consciência tranquila. “São 39 anos de uma trajetória que erigiu um conceito do qual muito se orgulha minha família e que não está à disposição de ninguém”.

O prefeito repete também o argumento que tem utilizado ao rechaçar a delação de Melo Filho: como parlamentar, nunca defendeu interesses da Odebrecht, que “não plantou um único metro cúbico de asfalto em Manaus” em seus três mandatos no Poder Executivo.

Com informações Portal Acrítica 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Solve : *
34 ⁄ 17 =