Caso Ana: família de jovem questiona investigação sobre morte no All Night

Manaus –  As investigações sobre a morte da universitária Ana Tereza Pereira Lisboa, 20, completa 23 sem solução. O caso está sob os cuidados da Delegacia Especializada de Ordem Política e Social (Deops), que na manhã desta terça-feira (27) ouviu a mãe e irmão da vítima.

A Polícia Civil (PC) não trata o caso como homicídio. Por isso ele não é investigado pela Delegacia Especializada em Homicídios e Sequestro (DEHS) e sim pela Deops.

“A princípio a especializada trabalha com mortes violentas mas, até o momento, nesse caso ainda há indícios que apontem para homicídio”, explicou o delegado Ivo Martins, titular da DEHS. “Se a Deops identificar algo, o caso vem para gente”, completou.

Para a família da universitária, é estranho que eles tenha sido chamados para depor.

“Ao invés de chamarem as pessoas que tiveram contato com a minha filha no momento do ocorrido, estão me notificando. Não posso nem viver o luto pela partida dela”, reclamou Ana Paula Lisboa, mãe da vítima.

Ela também diz não entender o porquê da investigação estar com a Deops e não DEHS.

A assessoria de imprensa da PC informou que a titular da Deops, delegada Catarina Saldanha Torres, não deseja se pronunciar sobre as investigações em andamento, pois ela crê que qualquer posicionamento possa atrapalhar as investigações. Porém, a família da vítima discorda dessa opinião.

Entenda o caso

A universitária Ana Tereza morreu na madrugada do dia 4 de dezembro, após uma noite de festa na boate All Nigth, na Ephigênio Sales, no Aleixo, zona Centro-Sul. A suspeita é de que teriam colocado drogas na bebida que a jovem ingeria no local.

Ainda não se sabe, oficialmente, as causas da morte porque o laudo definitivo do Instituto Médico Legal (IML) ainda não teria sido concluído. Segundo um parente próximo, que não quis se identificar, o órgão de medicina legal não teria aprontado o exame por falta de material de exame toxicológico.

Questionada, a assessoria da PC também não quis falar sobre essa denúncia.

Com informações Portal Em Tempo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Solve : *
27 + 11 =