Líder da Maus Caminhos emagreceu 60 kg e recusa comida de presídio

Manaus – Condenado a 15 anos de prisão na operação Maus Caminhos, o médico Mouhamad Moustafa, recusa receber parte da comida a que tem direito, não usufruindo da dieta oferecida pela administração do CDPM (Centro de Detenção Provisória Masculino), onde está preso desde dezembro de 2018. A informação foi divulgada pela reportagem do Amazonas Atual.

Durante depoimento à juíza federal Ana Paula Serizawa, o médico relatou ter sido constrangido pela direção do sistema prisional na última terça-feira (03), quando tomava banho. Moustafa informou que foi obrigado, a andar nu em frente às câmeras, diante da portaria do presídio, onde recebeu uma marmita “para comprovar que a alimentação do presidio estava sendo entregue” a ele.

De acordo com o Amazonas Atual, Mouhamad disse que não se adaptou à comida do presídio e que se continuar a insistir corre o risco de ter esofagite de refluxo e câncer de esôfago, “que é uma doença altamente mortal”. “Eu tentei os dois únicos tipos de dietas que tem lá no presídio, que é a dieta normal e para o doente. Eu não consegui me adaptar, eu vomitei várias vezes”, declarou o médico.

Ao recusar a alimentação oferecida pelo CDPM (Centro de Detenção Provisória Masculino), o líder da Maus Caminhos perdeu cerca 60 kg nos últimos meses.

 Confira a reportagem completa.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Solve : *
29 − 27 =