Linha dura, Delegado Costa e Silva filia-se ao PSL e fala sobre seus projetos para 2020

Manaus – Adotando um modelo de polícia próxima ao cidadão, o delegado da Polícia Civil Rafael da Costa e Silva sempre teve amor pela sua profissão. Hoje utiliza as redes sociais para aproximar-se ainda mais das pessoas, trazendo informações de utilidade pública e alertando sobre golpes em todo o Estado. Acredita que isso é muito importante para aumentar a relação de confiança entre a sociedade e a polícia. Confira a entrevista.

1 – Delegado Costa e Silva, o que te motivou seguir essa profissão?

Não é de hoje que somos vítimas da criminalidade. Lembro-me de certa ocasião em minha adolescência em que chegaram caras armados e tomaram minha bicicleta. Me senti frágil e vulnerável, e a partir dali pensei que seguiria a carreira policial. Assim como aconteceu comigo, acontece diariamente com as pessoas.

2 – Há quanto tempo está na instituição e por onde passou por esse tempo?

Fiz o concurso público em maio de 2009. De lá para cá aprendi muito, trabalhando na capital e interior do Estado do Amazonas, a exemplo de Coari. Tive a oportunidade de chefiar a Delegacia Fluvial, uma delegacia especializada que considero de muita importância para o Amazonas, tendo em vista a quantidade de rios, o transporte feito por este meio, e os crimes que acontecem nas calhas. Muita droga é apreendida nos rios. Fui por quatro anos presidente do Sindicato dos Delegados do Estado do Amazonas. Hoje encontro-me na supervisão da Polícia Civil, um função de gestão que supervisiona todo efetivo policial da cidade, zelando pelo bom atendimento ao público e em comunicação direta com todas as delegacias de Manaus, para que o trabalho transcorra com a maior eficiência e fluidez possível.

3 – Ano passado o senhor concorreu para Deputado Estadual, qual experiência tirou desse processo?

Na parte social posso dizer que a política é uma ciência que todos nós deveríamos gostar, porque é através dela que sentimos o impacto no dia a dia, no ônibus, no preço dos alimentos, combustivel, emprego, segurança, educação, saúde, etc. Participar do processo político fez com que eu conhecesse ainda mais de perto a realidade da população, pois há alguns que não tem nada, são completamente abandonados. Há lugares em que o poder público não está presente, e nesses locais a incidência de crimes ainda é maior. As pessoas nestes lugares tem muito medo de fazer denúncias, são reféns a todo momento.

Foto: divulgação

No campo partidário cometi um grande equívoco em não concorrer pelo Partido Social Liberal (PSL), pois sempre fui um entusiasta da da linha ideológica do Presidente da República, Jair Bolsonaro. Acontece que em fevereiro de 2018 fui convidado pelo ex Deputado Estadual Platiny Soares para ingressar nos quadros do PSL. Agradeci o convite, mas não aceitei porque não queria entrar em um partido que já havia deputado. Acabei concorrendo pelo Avante, que diga-se de passagem, fez quociente eleitoral e teve candidato com 17 mil votos, mas não elegeu ninguém por conta de coligação mal feita que só beneficiou candidatos que já eram deputados e foram reeleitos.

4 – Qual sua opinião sobre o PSL e as perspetivas para o futuro do partido ?

Vejo que o partido ganhou uma enorme força com a ida do Presidente Jair Bolsonaro. A prova disso é a quantidade de pessoas que foram eleitas e a renovação em todo o Brasil. No Amazonas, por exemplo, tivemos os amigos Delegado Federal Pablo Oliva, eleito Deputado Federal e o Delegado Civil Péricles Nascimento, eleito Deputado Estadual.

O PSL nacional está com grandes desafios como a reforma da previdência, o projeto anticrime proposto pelo Ministro Sérgio Moro e algumas privatizações. Além disso, o Presidente terá que trabalhar com sua equipe para reduzir o índice de desemprego, aumentar as exportações, trazer tecnologias através de parcerias com outros países, dentre vários outros temas relevantes.

Por isso a importância de cada parlamentar eleito, visando fortalecer as bases do Presidente da República. Agora a grande missão será escolher os nomes para as prefeituras e vereanças em todo país.

5 – O PSL já tem um nome para prefeitura de Manaus em 2020?

Vi uma pesquisa que constava o nome do Delegado Pablo Oliva, Deputado Federal com 5% nas intenções de voto. Ainda não conversei com ele para saber se ele realmente vem candidato. O Deputado Pablo é o presidente estadual do PSL no Amazonas, ele está sendo um parlamentar importante na Câmara Federal, trabalhando por assuntos importantes ao nosso Amazonas, como a BR – 319, a comissão que trata do Processo Produtivo Básico (PPB’s) e outros temas relevantes. O Deputado Pablo é peça chave dentro do Congresso, mas o que ele decidir nós estaremos aqui para apoiá-lo.

6 – Quais seus planos para o processo político em 2020?

Quero dar continuidade ao que comecei, e para isso preciso estreitar ainda mais minha participação e diálogo com a direção do partido. Se o partido decidir fazer uma prévia interna, quero me colocar à disposição para concorrer à prefeitura de Manaus. Para quem não me conhece bem pode até parecer ousadia de minha parte, mas penso que não há nada que impeça uma candidatura minha lado a lado com os pré-candidatos que tive conhecimento pela imprensa, como Luiz Castro, Davi Almeida, José Ricardo, Marcelo Ramos, Rebecca Garcia, Marcos Rotta, dentre outros.

É para isso que existem as propostas e o debate na televisão. No momento certo, cada um poderá mostrar suas intenções para com a cidade de Manaus e o povo decidirá nas urnas.

Penso que um nome vindo da Segurança Pública fortaleceria os anseios do povo, além de que uniria Policias Civis, Militares, Bombeiros, Guardas Municipais e todos profissionais da segurança privada. Muitas pessoas confiam no trabalho realizado pelas forças de segurança e continuarão dando credibilidade para políticos vindo desse ramo. Isso não significa dizer que esse eventual candidato não olhe para as demais áreas tão importantes quanto a saúde, educação, transporte, infra-estrutura, mobilidade, meio ambiente, cultura e outras.

É bom deixar claro que é só uma ideia que passa em minha cabeça, que precisaria de prévias partidárias além do apoio e aceitação popular. As redes sociais já mostraram sua influência, como o caso do Presidente Bolsonaro. Tivemos situações em que quem estava 1% nas pesquisas tornou-se vencedor, a exemplo do Governador Wilson Witzel no Rio de Janeiro, e do Governador Ibanês Rocha no Distrito Federal. Tudo isso representa a chance que a população está dando para nomes que não são tradicionais na política.

7 – Na sua opinião, o que o povo de Manaus precisa e o que está deixando a desejar?

A população precisa do básico, precisa de oportunidade de emprego e capacitação, precisa de um melhor atendimento nas UBS e aquisição de medicamentos para tratamento permanente de doenças, precisa abraçar projetos verdadeiros para pessoas autistas e outros que necessitem de cuidados especiais. A população precisa de uma ponte no bairro e a pavimentação de sua rua, precisa de uma guarda municipal presente nas escolas e parques da cidade, enfim. São muitas coisas, mas acima de tudo a população precisa de alguém que seja comprometida para com o povo.

Uma coisa eu tenho certeza: a população não precisa de uma passagem de nível entre as avenidas Constantino Nery, Pará e João Valério. Uma obra da prefeitura que vai custar 65 milhões de reais e vai terminar coincidentemente próximo à eleição de 2020. Alegam que é para desafogar o trânsito, quando na verdade teremos o trânsito afogado do mesmo jeito nos semáforos do Vasco Vasques (Constantino Nery), do Posto 700 (Djalma Batista) e no Olímpico Clube (Constantino Nery). Aliás esse semáforo em frente ao Olímpico é embaixo do viaduto da Boulevard Álvaro Maia, o único viaduto do país que tem semáforo embaixo de viaduto. Cadê a fluidez? Vamos desafogar 200 metros de trânsito e as redonzesas ficarão engarrafadas do jeito que já estão?

A dignidade de Manaus tem que ser resgatada, cada um fazendo valer sua verdadeira intenção. Aliás, dignidade vai ser nossa marca.

8 – O senhor acha que nas eleições municipais de 2020 ainda teremos aquele discurso do novo?

Penso que esse tom “novo” é de certa forma pejorativo e pode cair em descrédito com o passar do tempo. Os caciques podem tentar voltar batendo no “novo”. Como eu disse antes, a população merece alguém digno para estar no cargo, que seja um batalhador em prol da população, novo ou velho, precisamos de políticos honestos e com atitude, que representem a voz do povo através de ações, independente de sua idade. A população quando quer troca quem está no poder, mesmo o candidato estando com a máquina na mão. Já vimos casos assim mais de uma vez aqui na cidade. O eleitor está cada vez mais consciente.

9 – Quais são as suas redes sociais para aqueles que desejam acompanhar seu trabalho e seu contato?

No Facebook, Instagram e YouTube basta procurar por “Delegado Costa e Silva”. Já no Twitter estou cadastrado como “delcostaesilva”. Já meu telefone para quem quiser mandar whatsapp é (92). 98128-1742.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Solve : *
19 − 16 =