Manifestantes tentam invadir o Congresso; polícia revida com bombas e água

Brasília = As manifestações que começaram pacificamente, na começo da tarde desta quarta-feira (16/3), chegaram próximo ao fim com uma tentativa de invasão do Congresso Nacional pelos manifestantes. A polícia, que não esperava tanta pessoas, tentou conter as pessoas lançado bombas de efeito moral e jatos de água, além de partir para o cima dos que estavam por lá.

Algumas pessoas que estavam em cima da rampa, começaram a descer. Do gramado, os manifestantes gritavam: “Ei, soldado, você está do lado errado”, além de vaiarem a atitude da polícia.

Por volta das 21h30, os presentes começaram a se dispersar. Alguns seguiram em direção ao Congresso Nacional. Eles tentaram subir a rampa do prédio, mas foram impedidos pela polícia legislativa. Sem conseguir acessar a rampa, os manifestantes se concentraram no gramado, mas a polícia atirou bombas de efeito moral para dispersar o grupo.

Os manifestantes começara, a ser reunir em frente ao Palácio do Planalto, por volta das 17h, para protestar contra a nomeação do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva para o cargo de ministro chefe da Casa Civil. A manifestação chegou a reunir 20 mil pessoas, segundo a Polícia Militar, na hora de pico.

O protesto teria sido organizado, entre outras entidades, pelo Movimento Brasil Livre. De acordo com a Polícia Militar do Distrito Federal, a manifestação já reúne 5 mil pessoas. O número, porém, começa a aumentar com a chegada de mais manifestantes vestidos de amarelo. Com o fim do expediente em alguns órgãos públicos, funcionários dos ministérios também desceram para participar do ato. Ainda segundo a Polícia, 50 PMs e 60 policiais do batalhão do Exército trabalham no local.

Os manifestantes cantaram o Hino Nacional várias vezes. Um carro de som que tentava chegar ao local, foi impedido de ficar na frente do Planalto. A PM informou que o limite de acesso de carros de som em protestos é a Alameda das Bandeiras, que fica em frente ao Congresso Nacional.

Há informações de que a presidente Dilma Rousseff deixou o Palácio do Planalto. Os manifestantes começaram a gritar pedindo a renúncia da petista. O agora ministro Lula – que acabou de ser nomeado oficialmente em uma edição extra do Diário Oficial da União – não está em Brasília.

Por volta das 21h, os presentes atearam fogo em pneus. Mais cedo, um pequeno grupo de pessoas favoráveis ao ex-presidente Lula e à presidente Dilma Rousseff também compareceu ao ato. Houve confronto entre os dois grupos. A PM reagiu com cassetete e gás de pimenta.

Um homem foi retirado da manifestação. Ele foi acusado de atirar uma bomba, mas, sem localizar o artefato, a PM não pôde provar que ele soltou a bomba. Assim, ele foi mandado embora.

Em um trio elétrico, os organizadores convocaram nova manifestação para amanhã, às 10h, no mesmo local. O objetivo é evitar que Lula tome posse como ministro.

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Solve : *
19 + 21 =