Aumento de caramujos africanos assusta moradores da zona norte e leste em Manaus

Manaus – Com o período chuvoso, a preocupação de moradores de bairros das zonas norte e leste de Manaus se volta para o combate a caramujos africanos. As áreas são as que apresentam maior incidência do molusco na capital, conforme a Secretaria Municipal de Meio Ambiente e Sustentabilidade (Semmas). Este ano, a secretaria informou ter registrado dez situações envolvendo caramujos africanos, que podem transmitir meningite.

Morador da Rua Marinho Tavares Filho, no bairro Santa Etelvina, zona norte, o carpinteiro Izonildo Gonçalves da Silva, 43, disse que já se acostumou a acordar e ver um ‘mar’ de caramujos africanos em frente à casa dele, onde também há uma erosão e muito lixo acumulado, jogado, segundo ele, por outros moradores do bairro. “Cansei de jogar sal nos caramujos. Fica cheio deles e temos que nos proteger, porque senão eles entram na nossa casa”, afirmou o carpinteiro.

A comerciante Nadir Martins da Silva, 59, disse que, de vez em quando, moluscos aparecem na cozinha da casa dela. “Sempre tenho sal por perto e mato os caramujos. Tenho muito nojo e  muitas das ruas do Santa Etelvina também têm muito caramujo”, disse.

Nas calçadas ao longo da Avenida Tenente Roxana Bonessi, mais conhecida como ‘Igarapé do Passarinho’, no bairro Colônia Terra Nova, também na  zona norte, os moradores se deparam com caramujos africanos vindos das águas do igarapé. “Já foi pior a situação, mas ainda se vê esses caramujos por perto”, afirmou a dona de casa Roseane Malheiros Pereira da Silva, 35.

A Semmas informou ter registrado 30 casos de presença de caramujo africano, em 2015. Este ano, o número de situações denunciadas  à secretaria já chega a dez.
Conforme a Semmas, por não possuir predador natural, o caramujo africano se multiplica de forma rápida, principalmente, quando encontra as condições ideais para reprodução, que são os terrenos baldios e quintais com lixo acumulado.

A secretaria orienta o morador que identificar caramujos africanos a se proteger, usando  luvas ou sacos plásticos nas mãos. Em seguida, deve-se coletar os caramujos em outra sacola, esmagá-los com pedra ou pedaços de madeira, adicionar um pouco de sal ou cal, fechar o saco e colocá-lo para a coleta de lixo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Solve : *
20 ⁄ 4 =